Mitos e verdades sobre planejamento financeiro e seguro de vida

Mitos e verdades sobre planejamento financeiro e seguro de vida

Mitos e verdades sobre planejamento financeiro e seguro de vida

Você sabia que o seguro de vida não se aplica apenas a situações de morte? É possível adquirir um seguro que cubra, por exemplo, doenças graves e que paga um valor em dinheiro para ser usado no tratamento ou como você quiser. No mercado estão disponíveis apólices de diárias por incapacidade temporária, que repõe a renda em caso de afastamento do trabalho por doença ou acidente. Ou seja, falar em seguro de vida é falar também em planejamento financeiro. Afinal, a modalidade repõe perdas causadas por eventos que não controlamos como acidente, doença, perda de emprego e assim por diante. Isso garante segurança e tranquilidade ao segurado e a quem ele quer bem. Conheça mitos e verdades sobre esse tipo de apólice para que você faça a escolha certa, de acordo com seu planejamento financeiro.

Mitos sobre o seguro de vida

Cobre apenas morte
Há várias outras situações que podem ser cobertas pelo seguro, como pagamento de diárias por afastamento do trabalho em caso de doença ou acidente, doenças graves e despesas médico-hospitalares ou odontológicas.

É caro
Os custos variam conforme as garantias contratadas e o perfil do segurado, mas certamente há alternativas para todos os bolsos.

Basta ter seguro coletivo
O seguro pago pelas empresas para seus funcionários não costuma ter a abrangência proporcionada por um seguro individual, que pode incluir coberturas adicionais para acidentes e doenças.

Seguro como planejamento financeiro
Hoje, o seguro é uma das ferramentas mais utilizadas para proteger a família de imprevistos com a vida e com a saúde, e só isso já é razão fundamental para ele constar em seus planos de vida. Tanto de quem já tem patrimônios acumulados, como quem ainda está construindo.

Seguro ideal para cada tipo de investidor
O seguro de vida é tão importante quanto as regras básicas do planejamento financeiro, como gastar menos do que se ganha, livrar-se das dívidas, cortar gastos supérfluos, poupar e investir. Isso, porque, quando temos a intenção de construir um patrimônio é preciso não apenas fazê-lo crescer, mas também protegê-lo. Uma adversidade qualquer pode nos levar a consumir em pouco tempo a poupança de uma vida inteira.

Agora, se você é um investidor iniciante e ainda não têm patrimônio ou dispõem apenas de poucas reservas. O seguro de vida te protege de precisar consumir seus poucos recursos e até se endividar em caso de uma invalidez permanente, doença grave ou morte.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Deixe seu comentário